• Klleverton Reis

Polícia Civil deflagra operação de prisão e busca e apreensão por morte de advogado no Pará

A Polícia Civil, por meio da Divisão de Homicídios (DH), com acompanhamento da Corregedoria da Polícia, deflagrou na manhã desta segunda-feira (3) uma operação de prisão e busca e apreensão contra os acusados da morte do advogado Arnaldo Lopes de Paula, ocorrido em 2017.

Todas as buscas foram realizadas na capital paraense. As diligências para a força-tarefa começaram às 5h30 desta segunda, com saída da sede da DH, no bairro de São Brás. Cerca de 60 policiais participam da ação. Na residência de um dos acusados, no bairro do Jurunas, a Polícia apreendeu documentos, celulares, pen-drives, uma arma, munições e dois estojos que pertencem ao Estado. Um agente público foi preso. Ele foi interrogado e, após exames de corpo de delito, ficará à disposição da justiça. As diligências sobre o fato começaram após o crime, pela Divisão de Homicídios. Uma das linhas de investigação foi correlacionada a uma briga entre a vítima e ex-aliados em um escritório de advocacia. Arnaldo Lopes foi baleado com cinco tiros de arma de fogo, em dezembro de 2017, quando saia da casa de parentes, no bairro do Jurunas, em Belém. De acordo com as investigações, o advogado retornava para o seu automóvel, quando começou a ser perseguido por um carro descaracterizado. Ele chegou a entrar no seu veículo, mas um dos criminosos segurou a porta e efetuou todos os disparos próximo ao ombro da vítima, que chegou a ser internado em um hospital de Belém, durante três dias, mas não resistiu aos ferimentos. Ele faleceu no dia 21 de dezembro. À época, Arnaldo Lopes havia acabado de assumir o cargo de interventor na Associação dos Praças da Polícia Militar do Estado do Pará (Aspra-PM). Fonte: agenciapara.com.br

11 visualizações0 comentário