• Gileade Oliveira

Um fio de esperança, um juramento a vida

A coluna Opinião de hoje traz uma forte reflexão e relatos vivenciados durante quatro dias dentro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Capanema.

Situações inesperadas fazem de uma rotina calma e dentro da normalidade, uma corrida incessante e determinante para uma vida. Atualmente o Brasil conta com 520 UPAs espalhadas em todo território; no Pará, 15 UPAs estão concluídas e sem funcionar, 21 unidades em fase de obras; e 13 UPAs em funcionamento, uma dessas em Capanema.

Todos os dias dezenas de pessoas acometidas pelos mais variados problemas, procuram o Sistema Único de Saúde (SUS), através da UPA de Capanema. Que além de receber pacientes locais, também recebe enfermos de vários municípios da região.



Dentro dessa Unidade de Pronto Atendimento (Capanema), profissionais se revezam em plantões desgastantes. As jornadas de trabalho de médicos, enfermeiros, assistentes sociais entre outros profissionais, chegam até 24 horas. Nesse período onde a dedicação é fiel aos seus juramentos, os profissionais exercem do mais simples até mesmo casos complexos, procedimentos que fazem todo a diferença para as vidas que dependem do cuidado e atenção do sistema.

A demanda de pessoas cresce constantemente na unidade, principalmente em períodos de pandemia, como é o caso do Covid-19. O redator desta coluna, observou atentamente durante 4 dias a rotina dos profissionais que prestam atendimento na UPA Capanema.

“Acometido por problemas de saúde, meu tio começou sua batalha pela vida na unidade em uma tarde de sexta-feira (16). Como qualquer um outro cidadão, realizou todos os protocolos para ser atendido; sempre o acompanhando, estava eu a observar e gravar na memória o vai e vêm frenético dos profissionais”.



“Ainda por mais 3 dias, pude constatar o que já era visível aos meus olhos; eles não são humanos, eles são Super-Humanos. Desprovidos de tantos recursos essenciais, homens e mulheres desafiam a expectativa e se laçam à missão de salvar vidas”. As UPAs não são completas e tão pouco estão no topo desejável da grande maioria da população, mas são nelas que encontramos verdadeiros homens e mulheres de aço, aço inoxidável, bravos guerreiros, guardiões da missão de salvar.

“Durante 4 dias intensos, vivemos uma experiência única, para muitos a UPA é apenas um significado de dor, sofrimento e morte; mas viver o que vivemos, sentir o sentimos, olhar com os próprios olhos e hoje relatar, mostra o quanto o sistema é frágil, mas nos assegura de que um fio de esperança basta para os guerreiros de jaleco nunca desistirem, e jamais renegar o juramento de salvar vidas”.



A Coluna Opinião deste Domingo 25 de julho de 2021, é uma homenagem a todos os profissionais de saúde da UPA Capanema e também em memória de Silas Nascimento de Oliveira, meu tio/pai; um profissional de saúde, um super-humano que ao longo de 60 anos dedicou-se também na missão de salvar vidas, mas super-humanos também um dia se vão.


Gileade Oliveira Redação SBT Capanema


Gostou da coluna? Então chegou a sua vez de opinar, deixe seu comentário, defenda o seu ponto de vista.



314 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo